Restaurante Le Soleil: um brinde à vida

A mesa, desde o princípio da comensalidade e antes mesmo de existir materialmente como mesa, mostrou-se um lugar fértil para selar acordos de paz, festejar vitórias, celebrar a vida e a aliança entre os povos. O tempo apenas consolidou essa verdade, trazendo para os nossos dias a sofisticação e o prazer sensorial, que, a despeito de nutrir o corpo, alimenta também a alma e o intelecto.
 
Comer e beber deixaram de ser então uma ação mecânico-funcional ligada à sobrevivência, cujo objetivo primeiro era atender uma necessidade fisiológica vital, ganhando um conceito estético-plástico, que, aliado à moderna gastronomia, vinhos que beiram à perfeição e pessoas do bem e de bom gosto, transformaram simples encontros em momentos únicos.
 
Alguns restaurantes oferecem condições mais do que perfeitas para momentos como este, e aqui cabe mencionar o Le Soleil, Restaurante do Ocean Palace Hotel, na Via Costeira de Natal, em que por duas vezes desfrutei de momentos raros à mesa. O último deles no final de junho passado com pratos incríveis do Chef Luiz Paiva, vinhos excepcionalmente incomuns - da adega do restaurante e do acervo pessoal dos desprendidos irmãos em Baco - e o mais importante, pessoas bem especiais.
 
Vale o registro de que este jantar coroou um curso de capacitação que ministrei por três dias consecutivos (num período da tarde), para todo staff do hotel, e que contemplou, com especial meritocracia, os 10 melhores avaliados da equipe, através de uma degustação de vinhos TOPs no salão do Le Soleil, onde sentados, numa mesa especialmente posta, eles foram servidos por este consultor, de vinhos incomuns como: Champagne Veuve Clicquot (França), Perini Qu4tro (Brasil), Montes Alpha (Chile), Cartuxa Reserva 2009 (Portugal), Clos Apalta 2011 (Chile) Tignanello 2010 (ícone italiano) e Vega Sicília Único 2002 (ícone espanhol), isso para não falar dos vinhos de entrada. Parabéns à direção do Ocean pela brilhante iniciativa.
 
Voltando ao jantar dos amigos, na mesa contígua, no mesmo dia já a noite e depois da degustação com a brigada, nosso menu, brilhantemente preparado pelo Chef Luiz Paiva, contemplava duas entradas: Creme de beterraba com chantili e crostine com gergelim, e Foie gras grelhado com redução de laranja e morangos flambados. Dois pratos principais: Tagliatelle com lagosta na manteiga de trufas e Magret de pato com molho de tamarindo, guarnecido de arroz com damasco. E como grand finale, um Petit gateau escoltado pelo raro Sauternes Château Guiraud 2011.
 
Os vinhos que tomamos nesta noite merecem um relato à parte, porque de tão singulares tornaram a atmosfera do encontro ainda mais especial. Almaviva 2010, Clos Apalta
2011, Cartuxa Reserva 2009, Numanthia 2009, Tignanello 2010, Pera Manca 2007, Barca Velha 2004 e o ícone Vega Sicília Único 2002 garrafa Magnum, este, em minha opinião, o grande vinho da noite. Verdadeiramente arrebatador. E para finalizar, desejo aos caríssimos amigos vida longa para que possamos desfrutar de muitos e muitos momentos como este numa saudação à vida.
 
Evoé Baco

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário