Bûche de Noël para aquecer o inverno

 
Dezembro no hemisfério sul é sinônimo de verão, mas, no hemisfério norte, sinaliza a chegada do inverno. É a época dos aquecedores ligados, do edredom quentinho na cama (e que, às vezes, acaba também no sofá!), dos casacos e cachecóis no meio da rua... e das lareiras!
 
O calor e o crepitar do fogo tornam as lareiras especialmente acolhedoras no mês de Dezembro, e fizeram delas um dos símbolos da época natalina, inclusive na gastronomia.
 
E o que lareira tem a ver com alimentos natalinos?
 
Segundo o costume do hemisfério norte, uma grande tora do tronco de uma árvore era especialmente escolhida para ser queimada na lareira durante a véspera doNatal, quando as famílias se sentavam ao redor do fogo para se manterem aquecidas e contarem histórias depois do jantar festivo.
 
Com o passar dos anos e a popularização dos aquecedores, essa tradição foi se perdendo. Mas o lugar da tal tora é tão importante que ela passou para a mesa do jantar... ou melhor, ganhou lugar na sobremesa.
 
 
O Bûche de Noël (ou, na tradução literal: Tora de Natal) faz parte das comemorações natalinas na França. Não é uma sobremesa muito complicada: é um bolo de massa fina recheada e enrolada sobre ela mesma, e com cobertura. Como brasileira, eu diria que se parece com um rocambole, porém mais grosso. Tradicionalmente, os sabores envolvem um bolo “branco”, simples com recheio e cobertura de chocolate. Mas atualmente os sabores são variados e podem incluir café, ganache ou geleias de frutas. O bolo é decorado para parecer um tronco de árvore, às vezes com uma parte cortada e colocada na lateral, formando um galho. A cobertura é marcada com um garfo, para dar textura à casca da árvore. Outros os decoram com açúcar (simbolizando neve), frutinhas, jujubas ou merengue em formato de cogumelos.
 
Ou seja: as famílias continuam passando o Natal contando histórias ao redor do tronco natalino... só mudaram o local da lareira para a mesa, onde o Bûche de Noël as acolhe gastronomicamente, mantendo seu paladar aquecido.

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário