Capital humano, elemento importante

O grande desafio de todos os tempos é o momento da contratação de novos colaboradores. Todas as incertezas do mundo dos negócios parecem que recaem exatamente sobre esse momento, deixando entrevistadores e empresários com os "nervos à flor da pele".
 
Encontrar o profissional pronto é quase uma raridade. No entanto, essa realidade não pode ser um martírio e uma busca intensa e incansável, porém a possibilidade de desenvolver os talentos já existentes se caracterizam como uma garantia de sucesso na nova captação de material e capital humano para as empresas.
 
O "turn-over" tem ficado cada vez mais expressivo dentro das empresas e o foco dos profissionais não tem sido suficiente para a manutenção dos seus empregos e o desenvolvimento de suas carreiras dentro das empresas. Formar equipes e captar talentos podem ser um caminho interessante de se construir carreiras, mesmo que depois esses profissionais alcancem outros voos, porém o desenvolvimento desses talentos foi válido para sua vida profissional.
 
No mundo do trabalho, a capacitação, o desenvolvimento, a constância, o envolvimento, o pertencimento e o espírito "intra-empreendedor" deve ser sim o lema e as políticas para o sucesso das equipes e das empresas. Todos devem cooperar, envolver, encantar, contribuir, dedicar e o que mais seja necessário para que esse desenvolvimento e essas políticas de sucesso do capital intelectual e humano permaneçam com foco contínuo e constantes nos Departamentos de Recursos Humanos.
 
O departamento que deve ser tratado com respeito e confiança, pois aquele olhar de que um RH apenas gera despesas ou monta dinâmicas divertidas ou organiza as festas de fim de ano das empresas, já foi superado e é de suma importância na formação desse capital.
 
Instalações prediais, equipamentos, tecnologias, produtos e pesquisas desenvolvidas na direção do sucesso da coisa é evidente que tem a sua importância, porém nada disso se opera ou realiza se o capital intelectual e humano não for consonante e caminhe em paralelo com esses investimentos.
 
Busque montar uma política de incentivo e capacitação de seu pessoal. Construa uma equipe coesa e transparente. Seja objetivo e faça com que todos se sintam “pertencentes” ao seu projeto. Todos os colaboradores devem ser tratados de forma com que se sintam tão importantes quanto o produto ofertado. Afinal de contas esse produto para chegar ao prato e à mesa do cliente, deve a sensibilidade, o conhecimento, o gestual, a cultura, o hábito, a ancestralidade e tudo que advém da construção e da personalidade individual de cada colaborador.
 
Um cozinheiro ou um garçom, não pode e nem deve ser tratado como mero número de CPF ou cadastro de ficha de empregados, mas sim como um participante importante e pertencente ao processo de alegrias, de realizações, de aquisições, de sonhos e da realidade do comensal! Pense nisso!!

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário