Cartagena das Índias

O que esperar de um lugar que já tem em seu nome, o mistério dos contos de Gabriel Garcia Márquez? O autor, Nobel da literatura, que viveu muitos anos por aqui, escolheu esta cidade colombiana como pano de fundo de alguns de seus contos, dentre eles, “O amor nos tempos de cólera” e é instigante o desejo de reconhecer estes cenários dos livros nas ruas estreitas de Cartagena.
 
 
Cartagena é única, com suas ruas estreitas e suas casas de arquitetura colonial espanhola, com seus balcões de madeira que são um verdadeiro presente para os olhos. Essa cidade que é Patrimônio da Humanidade, foi fundada no ano de 1533 por Pedro Heredia. Seu centro histórico, que é a alma da cidade, é cercado por muralhas, e tem o conjunto de fortificações mais completas da América do Sul. É também um destino de sol e praia e esportes náuticos, uma vez que é banhada pelo mar azul do Caribe. Indescritível.
 
Essa cidade combina com seu povo, ou o seu povo é a melhor tradução dela. Aqui, as pessoas são de uma gentileza e alegria contagiantes. Parecem estar sempre felizes, e agradecem sempre por entrarem em suas lojinhas, mesmo que  não se  compre absolutamente nada. Parecem sentir orgulho de suas esmeraldas, de seu artesanato, seus famosos chapéus, e fazem questão de mostrá-los e dividir um pouco do que sabem acerca deles.
 
Mas Cartagena não é só cores. Sim, porque sua arqueitetura é permissivamente colorida, assim como seu artesanato e também seus moradores. Ela também se conhece pelo seu perfume. Cheira a frutas, muitas delas iguais às nossas, mesmo que com grafias diferentes (guayaba, mango, ciruela, guanabana) que são vendidas em todo lado da cidade, quer sejam ao natural, quer sejam em forma de doces e granizatos.
 
Aqui comer também é uma arte, uma diversão, um ofício. A rua é próspera em vendas das mais diversas: água de coco vendida em saquinhos transparentes, saladas de frutas, sucos de vários sabores, doces, sorvetes, e os onipresentes patacones, que estão desde os mais simples carrinhos de rua, aos mais refinados restaurantes. Trata-se de banana verde que são fritas, amassadas e refritas, e servidas das mais variadas formas. Simplesmente pura com sal, ou como base para queijos, misto de carnes, as mais diversas variações. Um fenômeno de vendas e de apreço dos colombianos.
 
 
A cidade amuralhada é um deleite. Extremamente charmosa, convida à arte do ócio, podendo-se sentar nas suas praças dispostas por toda a cidade, usufruir dos restaurantes circundantes, ou apenas assistir ao vaivém das charretes que levam turistas de todo lado, para todo lado, em passeios que duram conforme a vontade de cada cliente.
 
Cartagena foi historicamente palco de guerras, muitas vezes saqueada, mas nada disso parece ter tirado dela a sua glória. Mesmo que ela se apresente com uma certa inocência, um certo desconhecimento ou quase descaso do seu encanto. Não foram necessários mais que 5 minutos de luz e de aromas, para que eu me sentisse completamente encantada e desejosa de absorver com todos os sentidos essa cidade, como quem devora um bom prato, sem o menor desejo de o finalizar.

Outros Artigos

Cartagena das Índias

As Damas da Cozinha

Hoje é o aniversário da minha mãe. O primeiro em que ela passa no céu, e assim como Isabel Allende, ando em busca de consolo em um alimento que me conforte. E lembro então, das grandes damas da cozinha natalense, a quem a minha mãe sempre se referia, e também ela, recorria sempre, senão por conforto, apenas por prazer. Falo especificamente de duas gr...

Um certo bolo e banana

Lembro-me de minha infância passada na Lagoa do Bomfim, onde cada tia tinha a missão de se responsabilizar por algum prato, que depois serviria para ser colocado na mesa e ser servido para filhos e sobrinhos. As mais habilidosas eram minha mãe e minha tia do impecável e moderno caldo Knorr. As outras davam sua contribuição em forma de brigadeiros e cac...

Os 50 Melhores Restaurantes

O chef René Redzepi, no restaurante Noma Acaba de ser divulgada a esperada lista da San Pellegrino que elege os 50 melhores Restaurantes do Mundo. No topo dos 10 melhores, o Noma, na Dinamarca, que já encabeçou esta lista em outros anos. À frente dele, o Chef René Redzepi, que faz uma cozinha extremamente nórdica, baseada em suas ...

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário