Treze: nenhuma a mais, nenhuma a menos

Treze. Esse é o número de sobremesas servidas em uma típica ceia de Natal do sul da França e que muitas famílias, também, adotam no resto do país. Na região da Provence, as famílias trocam o buche de noel por uma variedade de frutas e doces conhecidas como “As 13 Sobremesas”.
 
Essa fartura foi documentada, pela primeira vez, em 1683, no livro de um padre de Marselha, que descreveu os costumes locais, com a intenção de ajudar as famílias a organizarem seus estoques e se prepararem para o inverno. Mas o número exato só foi divulgado alguns séculos depois pelo médico e poeta Joseph Fallen, um dos responsáveis pela associação em prol da conservação da identidade provençal. Em 21 de dezembro de 1925, Monsieur Fallen publicou um artigo no jornal La Pignato, em que afirmava: "É preciso treze, sim, treze, nenhuma a mais se não quiser, mas nenhuma a menos: nosso Senhor e seus apóstolos!".
 
Toda a ceia de Natal provençal conta com referências religiosas. A mesa é coberta com três toalhas brancas sobrepostas, simbolizando a Santa Trindade. O jantar é composto por sete pratos, simbolizando as sete chagas de Jesus. E para finalizar, treze sobremesas, simbolizando a Santa Ceia.
 
Não existe uma lista exata destas trezes sobremesas. No entanto, algumas regras se repetem. É essencial haver quatro frutos ou sementes secas – como avelãs, figos secos, amêndoas e uvas passas – representando as ordens religiosas, que fizeram votos de pobreza: Franciscanos, Dominicanos, Carmelitas e Agostinianos. Para simbolizar a fuga do Egito, tâmaras. Uma dupla de torrones, um preto e um branco, tem o papel de simular o bem e o mal. Segue a pompe à huile, uma espécie de pão ou bolo aromatizado com flor de laranjeira, que deve ser partido com as mãos, como Cristo serviu o pão na Santa Ceia. Há, ainda, frutas frescas, geralmente uvas, laranjas ou melões, mas pode incluir alguma fruta tropical como abacaxi ou manga (vinda das ex-colônias). Para completar, pequenos doces, como chocolates ou callissons (um docinho típico da região).
 
É comum que as sobremesas permaneçam três dias em cima da mesa. Afinal, os convidados têm que provar de todas! Apesar da grande quantidade de itens, essa tradição não é difícil de ser organizada. Portanto, ainda é tempo: que tal afrancesar seu Natal neste ano?
 

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário