Café do Brasil? Que sorte!

O café brasileiro pode ser encontrado no mundo inteiro. Nosso país é responsável pelo abastecimento de um terço de todo café do planeta, e, no passado, nossa produção já representou 45% de toda safra de café mundial. Muito utilizado na composição de blends para espresso, costuma-se dizer que em cada xícara de café bebida no mundo, o grão brasileiro está presente. Porém, com tamanha produção, nem todas as sacas conseguem manter a qualidade elevada, deixando, também, uma outra fama para o Brasil: quantidade é melhor que qualidade. Mas se engana quem acha que no nosso país não é produzido os melhores cafés do mundo.
 
O café de alta qualidade exige todo um cuidado especial. E são aproveitados somente grãos selecionados, colhidos manualmente, apenas frutos maduros e sem defeito, de árvores de micro clima parecido, entre outros cuidados para que ele seja reconhecido como café especial. Esse cuidado, porém, é inviável quando se trata de uma grande demanda, em que grande parte dos grãos de má qualidade também é vendida. A colheita manual não é suficiente para atender a quantidade de café ofertado, dando lugar às derriças de colheita mecanizada. Isso tudo nivelava por baixo a qualidade do café. A máquina colhe grão bom e grão ruim também. Além disso, existia um limite de exportação por produtor, o que fazia com que os produtores não se preocupassem em onerar mais o processo, já que somente poderiam vender uma quantidade fechada. Com o surgimento do conceito dos cafés especiais e o concurso do cupofexcellence, que premia as melhores sacas do ano, a produção de cafés especiais tornou-se interessante novamente, porque, além da divulgação da fazenda, as sacas campeãs são leiloadas a valores que chegam a quase 19 mil reais cada.
 
Apesar de subestimado no mercado local, o café do Brasil, muitas vezes, é ostentado no exterior. O saco de juta, emoldurado, com as inscrições "Cafés do Brasil" faz parte da decoração de muitos coffee shops, que trabalham com cafés de alta qualidade. A exposição do local de origem do grão faz os apreciadores de café já esperarem pelo café com notas de caramelo, chocolate ou frutas vermelhas, com grande corpo e acidez equilibrada como é de característica comum de nossos cafés.
 
Por que então, não tomamos café dessa qualidade em todo lugar, aqui, no Brasil? Você já deve ter ouvido que os melhores cafés que nós produzimos são exportados, ficando aqui no mercado local somente a raspa do tacho, na linguagem popular. Mas não é somente isso. Culturalmente, o brasileiro já se habituou a beber o café tradicional, deixando a grande indústria de café à vontade para oferecer a bebida como já vem sendo ofertada. Além disso, ainda existem poucas cafeterias da terceira onda para ofertarem condições aos produtores que os motivem a deixar os cafés de melhor qualidade aqui, em vez de vender para outros países.
 
Vários coffee shops já estão surgindo e buscando cada vez melhores cafés, junto com os produtores e torrefadores. O Brasil possui cerca de 20 grandes regiões produtoras de café espalhados por 7 estados (com potencial para produzir muito mais café especial do que qualquer outro país), todas essas trazendo um pouco da complexidade de cada terroar as variedades e infinitas possibilidades de blends. Historicamente, o café brasileiro poderia até ser inferior, porém o atual, pelo contrário, chega com pontuações tão altas quanto os melhores cafés do mundo. Se você está bebendo café especial do Brasil, você é um sortudo!
 

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário