Saboreando Paris

O polêmico Foie Gras

 
Alta gastronomia para alguns, produto ilegal para outros, o foie gras (se pronuncia “fuá-grá”), talvez seja a iguaria mais polêmica da atual cozinha francesa.
 
Foie gras,que significa “fígado gordo”, é um produto feito a partir de fígado de pato ou ganso, que passou por um processo de engorda. O produto é vendido bruto (inteiro) ou preparado como mousse ou patê, para ser servido como entrada (passado no pão), ou como acompanhamento de uma carne. O sabor é descrito como amanteigado e delicado.
 
Os historiadores contam que a técnica de engorda das aves deve ter cerca de 4500 anos. Naquela época, os egípcios notaram que, antes do período de migração, as aves comiam naturalmente mais. E, por isso, aumentavam muito de tamanho. Houve, então, a ideia de reforçar e controlar a engorda, adicionando figos secos à dieta dos animais. A prática cruzou o mediterrâneo, agradando gregos e (posteriormente) romanos.
 
 
Após a queda do Império Romano, os escravos judeus foram responsáveis por manter a prática viva e a disseminarem pela Europa. Uma mudança significativa na técnica aconteceu com o descobrimento da América, quando a Europa conheceu o  ilho, que mostrou ser uma ração mais eficiente. Louis XIV, o Rei Sol, popularizou o foie gras como iguaria da nobreza, atualmente, encontrada nos menus dos restaurantes mais chiques do país gaulês.
 
Maior produtora e consumidora mundial de foie gras, a França tem normas específicas para o setor: as aves devem ser alimentadas com milho por meio do gavage, instrumento que também dá nome à técnica de engorda. E é justamente nesse ponto que mora a polêmica: quem é contra a prática argumenta que a alimentação forçada vai de encontro às leis de proteção aos animais. No entanto, quem é favorável a ela, aponta que a maioria dos animais criados para consumo humano passa por algum processo de engorda e essa é uma forma de consumir mais uma parte da ave.
 
O debate entre a defesa dos animais e a manutenção de uma cultura culinária milenar desencadeia opiniões radicalmente opostas: algumas lojas se recusam a vender o produto e alguns países o tornaram ilegal, enquanto outros valorizam a sua comercialização. E você, querido leitor, baniu o foie gras da sua vida ou vai pedir como entrada na sua próxima viagem a Paris?
 

Petit Gâteau: Made in Brasil?

Memórias e madeleines

Do campo ao menu gourmet: a vez do Ratatouille

A tragédia do pai do chantilly

Cafè Gourmand: a nova moda que rompe tradições

Treze: nenhuma a mais, nenhuma a menos

Tudo fica melhor com chocolate... até museus!

Quem é mais forte: o cheiro do croissant ou o exército otomano?

Meu primeiro gostinho da gastronomia francesa

Os pratos preferidos dos franceses: Medalha de Prata

O terceiro prato mais popular na França

Um monte de orgulho do Monte do Orgulho

Crème de la Crème

A política do fromage

Sânque ru do nu

Escargot à gogo

Bûche de Noël para aquecer o inverno

Paris t'aimeaussi... hamburger!

Uma vista panorâmica como entrada

Brioche de rei: "Não tem pão? Que comam brioche!"

Uma viagem gastronômica nas Horas Felizes

O éclair está 'bombando'

Jantar com história

Almoço na Torre

Um jantar na casa de Raphäel

Fotos: Divulgação

Chou? Qu'est-ce que c'est?

Marca registrada das comemorações

Dia nacional do crepe?!

Um lugar em que o fondue é mais do que queijo derretido

O inverno está chegando. Hora de Raclette!

A "comida de rua" invade Paris

E essa história de pão francês?

Um arco-íris de sabores

Culinária francesa? Bien sur!