Saboreando Paris

Uma questão de terroir

A França é uma das maiores regiões produtoras de vinho no mundo. O país produz entre 50 e 60 milhões de hectolitros por ano, ou seja, cerca de 7-8 bilhões de garrafas! A produção é variada, e inclui desde os vinhos mais luxuosos e caros. Há alguns feitos especialmente para exportação, como também marcas mais modestas, que só são distribuídas dentro do próprio país. Porém, não é só uma questão de quantidade, como em qualquer assunto gastronômico, a nação gaulesa se orgulha da sua qualidade.
 
No entanto, na hora de escolher, muita gente fica na dúvida. É que a classificação dos vinhos franceses é um pouco diferente e, dificilmente, o nome da uva aparece no rótulo. Muito mais comum é encontrar “Appellation d’Origine Contrôlée”, que se refere à região em que as uvas foram plantadas, e o vinho foi produzido.
 
 
Hoje em dia, há centenas de “appellations” na França, que podem estar relacionadas a uma região inteira, uma cidade ou, em alguns casos, exclusivamente a um único vinhedo. Mas uma coisa é certa: cada “appellation” tem suas próprias características. As regras de cada região são bem específicas e levadas a sério. O controle é intenso!
 
Os franceses explicam que essa prática tem origem no conceito de “terroir”, que é muito forte no país. Em sua essência, “terroir” se refere a uma variedade de fatores que influenciam o sabor do vinho, incluindo o tipo de solo onde a uva foi plantada, a inclinação e elevação do terreno, o clima e a temperatura do ano de colheita.
 
Mas se você ainda estiver confuso, pode ter a certeza de que não é o único. Uma pesquisa recente declarou que mais de 70% dos adultos franceses não entendem os rótulos dos vinhos franceses.
 
Mesmo com toda a confusão, para bolsos brasileiros, é uma agradável surpresa. Muitas vezes, em restaurantes, pedir o vinho da casa sai mais em conta que beber água. E se a ideia for levar alguns na bagagem, até as garrafas mais baratas do supermercado tem uma qualidade excepcional. Fica a dica: na sua próxima viagem a Paris, se tiver espaço sobrando, encha a sua mala!
 

Milenar e familiar o chá francês

La tarte des demoiselles Tatin

Kir: um drink para impressionar convidados

O mistério natalino do pain d'épices

Empreendendo com ingredientes locais

Grand Épicerie de Paris e Bon Marché

Café com sablé

O polêmico Foie Gras

Petit Gâteau: Made in Brasil?

Memórias e madeleines

Do campo ao menu gourmet: a vez do Ratatouille

A tragédia do pai do chantilly

Cafè Gourmand: a nova moda que rompe tradições

Treze: nenhuma a mais, nenhuma a menos

Tudo fica melhor com chocolate... até museus!

Quem é mais forte: o cheiro do croissant ou o exército otomano?

Meu primeiro gostinho da gastronomia francesa

Os pratos preferidos dos franceses: Medalha de Prata

O terceiro prato mais popular na França

Um monte de orgulho do Monte do Orgulho

Crème de la Crème

A política do fromage

Sânque ru do nu

Escargot à gogo

Bûche de Noël para aquecer o inverno

Paris t'aimeaussi... hamburger!

Uma vista panorâmica como entrada

Brioche de rei: "Não tem pão? Que comam brioche!"

Uma viagem gastronômica nas Horas Felizes

O éclair está 'bombando'

Jantar com história

Almoço na Torre

Um jantar na casa de Raphäel

Fotos: Divulgação

Chou? Qu'est-ce que c'est?

Marca registrada das comemorações

Dia nacional do crepe?!

Um lugar em que o fondue é mais do que queijo derretido

O inverno está chegando. Hora de Raclette!

A "comida de rua" invade Paris

E essa história de pão francês?

Um arco-íris de sabores

Culinária francesa? Bien sur!